Feeds:
Posts
Comentários

Archive for janeiro \27\UTC 2012

O Barcelona existe – prelúdio

Eu, garoto desprivilegiado, criado na periferia de uma cidade do nordeste. De acordo com a geografia oficial, Espírito Santo não é nordeste. E economicamente tem mostrado-se cada vez mais distante de seus pseudo conterrâneos. Mas em termos futebolísticos o estado é deveras mais árido que o nordeste.

Sobrevivi assistindo a jogos como Serra versus Jaguaré, Vitória contra Vilavelhense. Sequer peguei a fase de decadência de Rio Branco e Desportiva Ferroviária. Quando dei por mim, ambos já estavam no limbo do futebol nacional.

Parecendo uma espécie de programa paleativo do governo federal, alguns times grandes do Brasil excurcionavam por lá. Tive o então privilégio de ver Flamengo contra Vitória da Bahia. O Flamengo, imaginem só. E com o melhor ataque do mundo: Sávio, Romário e Edmundo. Gente entrando pelo ladrão. Lembro-me de ter entregado o ingresso e passado por cima de uma grade (que sufoco, não foi, Agnaldo?). Fim de jogo: um a zero para o Viória, que deve ter se sentido em casa. Primeira lembrança de sentimento de prazer pela derrota e infelicidade alheia; agora me dou conta que o espírito de Juliana circula até mesmo nos mais jovens.

Esse certamente não veio de um programa do governo. Deve ter vindo dos céus. Vi meu time de coração jogar contra o Flamengo, no estádio do Rio Branco. Ataque formado por Paulinho Mclaren e Marcelo Ramos. Salvo engano, um gol de cada. Dois a zero para o Cruzeiro, com direiro a trilha sonora da torcida máfia azul.

***

Eu, rapaz privilegiado, morando numa das cidades mais caras da Europa, num apartamento só para mim. Pago com dinheiro da bolsa de estudos fornecida pelo governo federal, aquele mesmo que parecia suprir minha carência futebolística do passado.

Mas em Estocolmo não tem futebol de primeiro mundo. No inverno, nem de terceiro. Mas Estocolmo fica na Europa e nela tem futebol de primeiro mundo. Como se eu viajasse de Vitória para Natal, só que pagando mais barato, é possível ir à Barcelona e assistir, por exemplo, o clássico espanhol.

Para tanto, basta pegar o metrô na estação Näckrosen, que fica a cerca de trezentos metros da minha casa, em direção à T-Centralen. Lá é preciso pegar um trem cujo destino final é Märsta. Na estação Upplands Väsby troca-se de trem para chegar ao aeroporto. É preciso, inclusive, que o trem cujo horário lhe faria chegar com alguma tranquilidade no aeroporto seja cancelado. E que o seguinte demore cerca de trinta minutos para passar: tempo suficiente para colocar em risco seu voo para a Espanha. Assim, basta sair da estação procurando o centro deste lugar por demais periférico, em busca de um táxi. Pergunte ao gari sueco por um cab. Se for necessário, diga táxi. Encontrado o veículo, por segurança pergunte em torno de quanto fica o valor. Mas não se preocupe, o taxista turco faz exatamente o trajeto mais curto e chega ao aeroporto em quinze minutos: o trem não teria passado na estação ainda. Faça o check-in numa máquina, com alguma tranquilidade, e embarque no voo. Durante a viagem talvez seja necessário pedir um vinho com azeitonas para relaxar. Descanse um pouco.

A chegada em Barcelona pode ser às 19h, já que o jogo é as 22h. No aeroporto, pegue o ônibus 56, em direção à Plaza España. Sim, perca o ônibus por questão de segundos. O próximo deve ser vinte minutos depois, às 19h45. Não preocupe: Plaza España é o último ponto, e estará nele em cerca de 30 minutos. Chegando na praça pegue o metrô, que não é tão simples como de costume. Ande algumas estações na linha vermelha e na estação Plaza Sens troque para a linha azul, direção Cornella. Salte em Badal, se perca um pouco para saber o lado certo para caminhar em direção à rua do albergue. Algumas perguntas, tentativas que contrariam as respostas e pronto. Aí está: Hostel One Sants. Toque a campainha. Nano, argentino que vive em Barcelona há dois anos, hei de atendê-lo com a melhor cara do mundo, dar a chave do quarto e uma toalha de brinde (um banho por ser necessário por conta de algumas corridas). Pergunte pelo ingresso que você comprou pela internet, pediu para entregar no albergue e confiou plenamente naqueles que o receberiam e guardariam. Pronto, envelope em mãos, lacrado, com o ingresso dentro.

Aí é só fazer uma amizade relâmpago com dois argentinos que vão ao jogo. Caminhe cerca de dois quarteirões e aviste o Camp Nou, de longe. Mesmo que seu bilhete seja na arquibancada norte, entre ali mesmo e dê a volta por dentro do estádio, como lhe recomendará alguém no albergue. Portão 83. Entre. E verás que está muito mais perto do campo que imaginava. Sim, o Barcelona existe. Ainda está um pouco longe, do outro lado do campo. Porém mais perto do que nunca.

Read Full Post »

Onde a coruja dorme

Suécia não é o país do futebol. Mas, por acaso, o primeiro monumento com o qual me deparei – ou primeiro que reparei – foi uma escultura que descrevi assim: um homem chutando uma bola com o pé direito. Outra com o pé esquerdo, de calcanhar, cabeceando uma terceira. Tudo ao mesmo tempo. Mais ao lado, uma trave de ferro polido, quiçá do tamanho real, com uma bola encaixada lá, no ângulo direito de quem chuta. A expressão para brasileiros é quase imediata: lá, onde a coruja dorme.

Se um jogador do nosso time faz um gol acertando essa parte da baliza, ou se nosso time sofre um gol assim, podemos usar a expressão para comentar o lance. Até mesmo no caso de explicação de gols de terceiros. Mas quando ela nos alcança durante a contemplação de uma escultura, numa cidade europeia, à noite, e com temperatura abaixo de zero, é natural refletir sobre a expressão. Hegel bem disse: a ave de Minerva alça voo quando o dia chega ao seu fim.

Penso que a expressão se refere a lugares pouco frequentados pela bola. Lá pode-se até dormir a tranquilamente. Há pouca perturbação, pouco reboliço. A Suécia é um pouco assim, imagino. Já que sua capital, Estocolmo, é. Cheguei do aeroporto na estação central da cidade às oito e meia da noite e gastei algum tempo para achar um estabelecimento aberto em busca de informação. Uma semana de albergue e não esbarrei com um brasileiro sequer. Exemplar também é o volume da música no estabelecimento. Alta o suficiente para se ouvir, baixa o suficiente para se conversar.

Pouco reboliço também em termos futebolístico. O campeonato aqui anda parado. Não funciona no inverno. Mas isso não quer dizer que o blog hibernará. Se aqui é o lugar onde a coruja dorme, é aqui também que ela acorda. E quando algo acontece, nesse lugar da trave, geralmente merece admiração. Qual a estátua do homem chutando três ou quatro bolas, fazendo o possível e o impossível, tudo ao mesmo tempo, num só instante.

Read Full Post »